QUANTO 1% DE AUMENTO DE PRODUTIVIDADE (OEE) REPRESENTA NO LUCRO LÍQUIDO?

A FÁBRICA PERFEITA.

Imaginemos primeiramente, uma “fábrica perfeita”. Nesta “fábrica perfeita”, as máquinas funcionariam 100% do tempo a 100% da capacidade e produzindo 100% com qualidade.

Na vida real, 100% é uma utopia, uma referência de excelência a ser alcançada através da melhoria continua, pois, a luta é constante para alcançar o máximo da eficácia da máquina.

Na década de 1960, o Dr. Seiichi Nakajima, escreveu o livro intitulado de TPM: TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE (em português: Manutenção Produtiva Total), que é referência até hoje para os que buscam atingir o máximo da produtividade e qualidade da manufatura.

Neste livro, o autor deixa claro que “A incapacidade dos equipamentos para alcançar pleno potencial produtivo vem das perdas de tempo geradas por: inatividade, velocidade e defeito.”

Desta análise, realizada a mais de 50 anos, nasceu o conceito de Overall Equipment Effectiveness (OEE) que em português ficou conhecido como Eficiência Global de Equipamento e leva em consideração os índices de disponibilidade, performance e qualidade. Quer saber mais sobre o OEE? Veja em nosso outro artigo (clique aqui).

Vamos analisar qual é o impacto do OEE no ganho de produtividade.

A FÁBRICA QUE BUSCA A PERFEIÇÃO.

Para chegar o mais próximo possível do seu pleno potencial, as empresas avaliam e buscam soluções para reduzir melhorar a disponibilidade, performance e qualidade dia após dia.

Imaginemos um exemplo de uma fábrica que busca a perfeição onde o gerente reúne sua equipe para avaliar e traçar diretrizes para melhorar a eficiência de seus equipamentos.

Se o gerente industrial perguntar sobre a eficiência de determinada máquina, ele obtém as seguintes respostas:

  • A eficiência foi de 75%, pois a máquina ficou 25% parada.
  • Outro colaborador poderá dizer que ontem tínhamos que fazer 100 peças por hora, mas fizemos em média 87, então a eficiência está em 87%.
  • E alguém da qualidade pode dizer, nada disso, nos temos uma eficiência de 95% pois 5% do que é produzido é refugo e acaba sendo descartado devido as não conformidades.

Perceba aqui que os 75% refere-se à disponibilidade, os 87% a performance e 95% é a qualidade. E neste exemplo o OEE seria de aproximadamente 62%.

Uma fábrica que busca a perfeição, independente de ter um OEE de 40, 60 ou 80% pode (e deve) fazer hoje melhor do que foi feito ontem e melhorar continuamente seus resultados.

Neste mesmo exemplo, de uma fábrica com 75% de disponibilidade, 87% de performance e 95% de qualidade, o que aconteceria se o mesmo gerente industrial que perguntou sobre a eficiência determinasse agora que o OEE% deverá ser melhorado um 1% ao mês.

Para tanto, ela precisaria melhorar pelo menos 0,5% a disponibilidade, a performance e a qualidade para atingir este objetivo, se pelo menos dois destes fatores aumentar 0,5% o terceiro fator com apenas 0,4% de ganho já irá gerar um ganho de 1% no fim do mês.

Por mais complicada que possa ser as condições de uma manufatura, sempre será possível tomar ações que reduzam as paradas, a ineficiência de ciclo e o refugo.

Na tabela 1 evidencia o quanto esta “fábrica que busca a perfeição” evoluiria em um ano se cumprisse a meta de melhorar o OEE 1% a cada mês:

Tabela 1- Aumento do OEE em 1% ao mês.

Se compararmos os resultados iniciais e finais após um ano, iremos observar que o OEE passou de 62% para 75% pois a disponibilidade que era 75% aumentou para 81%, a performance que era 87% evoluiu para 93% e a qualidade que era 95% alcançou 99,8%.

Gráfico 1- Evolução do OEE em 1 ano.

O que aconteceu de fato foi que as paradas, ineficiências de ciclo e refugo desta empresa diminuíram, enquanto a competitividade, produtividade e o lucro desta empresa aumentaram.

Considerando que no início esta fábrica atuava 24 horas por dia 30 dias por mês, podemos calcular efetivamente o quanto este 1% do OEE ao mês, significou em quantidade de peças produzidas com qualidade.

Para um rápido entendimento, vamos sumarizar na tabela 2, o cenário de antes e depois de 1 ano.

 

Tabela 2 – Tabela comparativa.

CONCLUSÃO.

O que podemos concluir é que caso esta empresa decida aumentar o volume mensal de 44.631 peças para 50.000 peças com OEE anterior em 62%, a empresa precisaria de 34 dias para atender a demanda, agora mantendo o OEE em 81%, ela conseguirá atender a demanda em 28 dias e com mais 2 dias para a realização das manutenções preventivas das máquinas.

E esta empresa aumentou a quantidade de peças produzidas com qualidade sem comprar mais máquinas ou contratar mais mão de obra. Portanto durante 1 ano, houve um aumento de 21,6% na produtividade, impactando diretamente na lucratividade e aumentando a competitividade da empresa.

Assista o vídeo abaixo e veja como a Prodwin pode aumentar a produtividade no chão de fábrica.

 

 

Conheça mais sobre o sistema Pw-1 e obtenha todos os indicadores do OEE em tempo real. Deseja saber mais como a Prodwin pode ajudar a obter este indicador OEE em tempo real? Fale conosco.

4 thoughts on “QUANTO 1% DE AUMENTO DE PRODUTIVIDADE (OEE) REPRESENTA NO LUCRO LÍQUIDO?

  • Fabiba Alvez

    É mesmo uma grande dica de oportunidade e por isso maei sua materia!
    Vale mesmo a pena passar esse conteudo, fico muito grata e vou te acompanhar certamente.

    Responder
  • enizeth T a Olivbeira

    gostei muito do material publicado quero conhecer mais

    Responder
  • Marcelo

    Excelente artigo! O Link para download da planilha não está funcionando… poderiam corrigir?

    Responder
  • Ricardo

    Muito bom, sem falar da ferramenta Pw-1 M.e.s que nos dias de hoje é primordial para o crescimento das industrias!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *